Iscas Para Amansar Falcões

Texto e atuação: Beatriz Napolitani, Daniel Bouzas, Juliana Fernandes e Pedro Uchoa
No domingo, dia 7 de dezembro, o projeto Dulcinavista, que ocupou o Teatro Dulcina com peças adultas e infantis, leituras dramatizadas e oficinas teatrais por quatro meses, chega ao fim. Para encerrar a ocupação, será apresentado, de sexta a domingo, o espetáculo “Isca para amansar falcões”, uma criação de 28 novos dramaturgos, com a direção de Fabiano de Freitas.
O espetáculo é fruto do trabalho realizado durante as oficinas da ocupação, coordenadas por Fabiano. Durante os últimos meses, o projeto DNA – Dramaturgia Novos Atores levou dramaturgos como Daniela Pereira de Carvalho, Pedro Kosovski, Marco André Nunes, Walter Daguerre e Renata Mizhari para “provocar” os novos autores em potencial. 28 pessoas foram selecionadas entre 129 inscritos de todo o Brasil para participar das oficinas, que proporcionou a produção de cerca de 200 pequenos textos, que foram o ponto de partida para “Iscas…”
– A maioria das ocupações de teatros públicos recebe espetáculos de fora para dentro. Este projeto é diferente, é de dentro para fora. As histórias surgiram aqui dentro, a partir de provocações como visitar o interior do teatro, sair às ruas e voltar munidos de elementos e inspiração para novas histórias – explica Fabiano, que selecionou alguns destes textos, buscou uma conexão entre eles e traçou um roteiro para “Iscas”.
O resultado foi uma colagem de aproximadamente 30 cenas, com histórias independentes entre si, apesar de conectadas por algum elemento. Dezessete dos 28 autores dos textos também estão em cena: Beatriz Napolitani, Daniel Bouzas, Daniel de Jesus, Eliane Costa, Elio de Oliveira, Fabrício Branco, Flávia Coutinho, Higor Campagnaro, Ivar Rocha, João Marcelo Iglesias, Laura Nielsen, Lu Varello, Monique Vaille, Natália Régia, Pedro Ramoa Guzo, Pedro Uchoa e Zé Wendell.
As cenas têm, como ponto em comum, a busca de explicar quem foi ou é Dulcina (espaço ou artista). Fabiano chama atenção para o fato de todas as histórias surgidas nesta dinâmica trazerem elementos de uma “cidade efervescente”: – Temos de um lado a grandiosidade deste teatro, com estrutura clássica, vários andares, um labirinto. E o fato dele estar no meio do Centro, um polo de efervescência cultural e política. Tudo isso contaminou as ficções criadas. Mas esta não é uma peça político-panfletária – conclui.
Paula Lacerda
(Rio Show)
Teatro Dulcina
De 5 dez 2014 até 7 dez 2014
dom, sex e sáb 20:30
Grátis

You may also like...